Amando a Jesus na Cracolândia

Printer-friendly versionPrinter-friendly versionSend to friendSend to friend
Translation Note: A English translation of this content is available here.
Amando a Jesus na Cracolândia

Para mim, isso começou tarde da noite quando eu estava andando com minha esposa e alguns voluntários para o nosso hotel. Era quase meia noite. Estávamos promovendo a próxima Global School of Ministry em um evento em São Paulo. Tínhamos acabado as sessões da noite e estávamos ansiosos para dormir um pouco antes de voltar ao trabalho no dia seguinte. O nosso hotel não tinha estacionamento e por isso tivemos de estacionar o carro a dois quarteirões de distância. Eu vinha pensando naquele dia sobre a minha vontade de me aproximar de meninos de rua, mas eu não sei se eu teria tempo de ir procurá-los por causa da nossa agenda cheia. Quando nos aproximamos do nosso hotel vi um menino de rua e jovens que estavam andando em nossa direção. "Olha! Um menino de rua!" eu disse, animado com a idéia de ter achado um por perto.

Seu nome era Ricardo. Ele pediu comida e tentei ganhar sua amizade. Nos próximos dias, eu conheci sua mãe e seu irmão e aprendi mais sobre sua vida. Ele tem cerca de 12 anos de idade. Ele e sua família moram em uma comunidade em São Paulo chamada Cracolândia. É um grupo em movimento de milhares de viciados em crack usando drogas 24hs por dia, 7 dias por semana. Ricardo veio morar conosco por uma semana, enquanto estávamos trabalhando com a Assistência Social para tentar conseguir a permissão para que ele viesse morar conosco em tempo integral. Depois de uma semana, o vício do crack foi mais forte do que ele, e ele fugiu, de volta para a Cracolândia. Talvez em outro momento vou escrever mais sobre Ricardo. Deus o usou para me ensinar muito sobre seu amor.

Agora que eu tenho um amigo na Cracolândia, aquele lugar está sempre em meu coração. Na quinta-feira da semana passada, o meu parceiro de ministério Allyson e eu fomos para São Paulo para encontrarmos outro ministério que trabalha na comunidade há 20 anos. Eles estavam planejando levar pão, café e água para os viciados. Claro que eu queria ir com eles, porque as poucas vezes em que me aproximei Cracolândia a pé, eu fui hostilizado antes que eu pudesse caminhar entre o grupo. Eu queria ir com um ministério já existente, para conhecer algumas das pessoas e ser aceito no grupo. Deus ouviu minhas orações e veio em grande estilo!

Três coisas aconteceram que realmente ajudaram. Primeiro, a polícia estava lá, bloqueando a rua que os viciados em crack costumam usar à noite. Quando chegamos, a polícia atrapalhou nosso trabalho. Então, quando estávamos saindo, os moradores dos apartamentos começaram a jogar água quente e balões de água pela janela em nós e nos viciados em crack. Aparentemente, eles pensam que levar comida para os viciados faz com que eles permaneçam naquela área. No entanto, esses acontecimentos fizeram com que eu me sentisse um pouco mais próximo do pessoal da Cracolândia, e menos com os que marginalizam essas pessoas.

A coisa mais importante aconteceu quando o pastor Edimísio que estava liderando o evangelismo iniciou uma conversa. Ele começou a nos contar sobre a comunidade e seu trabalho lá. Ele disse que tinha uma pequena casa(fazenda)de reabilitação em que ele trabalha com os que querem sair da Cracolândia e lutar contra seu vício. Já eram duas da manhã, mas Edimísio nos convidou para ir visitar sua propriedade naquela noite. Sendo um pouco louco, aceitei o convite. Primeiro, voltaríamos para a Cracolândia. Já que estávamos indo para a casa de recuperação, porque não levar algum deles conosco?

Fizemos o check-out do nosso hotel e voltamos para a Cracolândia para encontrar uma alma disposta. Após andarmos 65 km até a casa de recuperação, já eram 6hs da manhã. Dormimos por algumas horas e depois o pastor nos mostrou o local. Era um local agradável, com beliches, cozinha completa, campo de futebol e um pequeno jardim. Pastor Edimísio contou-nos um pouco da história do ministério e fomos capazes de compartilhar a nossa visão sobre trabalhar com crianças de rua presos à dependência de drogas e prostituição. Foi sem dúvida uma "ligação de Deus". Estávamos já pensando em voltar para Curitiba quando o pastor me pediu para pregar no culto da tarde lá na fazenda. Claro que eu agarrei a oportunidade!

Eu tinha falado ao pastor sobre as qualidades do Allyson como cantor, e por isso ele pediu ao Allyson para conduzir o pessoal com algumas músicas de adoração e iniciar o culto. A partir do momento em que o Allyson começou a cantar, uma unção doce caiu naquele lugar. Foi elétrica. Todos se juntaram no culto com grande entusiasmo. O pastor pediu mais músicas e enquanto Allyson louvava, eu ouvi o Senhor dizer-me que Ele queria restaurar esses homens para o seu propósito. No início da oração eu vi o que parecia ser uma grande lágrima que refletia como um espelho. Percebi que a tristeza levou muitos destes homens ao arrependimento, mas que ainda não tinham sido capazes de ver além do reflexo do que eles haviam se tornado, o destino para o qual Deus os chamava.

Eu dei uma mensagem simples sobre como o reino é liberado em nossas vidas na medida que mudamos nosso pensamento. Animei-os de que "onde abundou o pecado, superabundou a graça." Nosso Deus é capaz de pegar uma pessoa que perdeu sua finalidade original e criar um novo destino melhor do que se a pessoa não tivesse pecado. À medida que o culto continuava, pedi a eles para encontrar um lugar onde pudessem ficar confortáveis. Pedi para que parassem de orar e sim para dar ao Espírito Santo a oportunidade de falar ao seu coração. Eu disse a eles para sentirem a presença do Espírito, para não falar em línguas, mas apenas descansar e permitir que o Espírito os abraçasse. Allyson começou a tocar canções sobre o amor de Deus e muitos dos homens estavam em prantos. Muitos choravam. Eu orei por cada um, pedindo a Deus para trazer uma revelação de Seu amor por eles e do propósito que Ele viu neles.

Após o tempo de ministração, eu pedi que levantassem as mãos se Deus tinha falado com eles durante o culto. Quase todos levantaram as mãos. Eu escolhi dois deles de forma aleatória para vir à frente contar suas experiências naquele tarde e, em seguida, chamei um outro rapaz, pelo qual eu havia orado por suas mãos. Eu escolhi esse para testemunhar porque quando eu orei por ele, eu senti como se tivesse levado um grande choque. Senti uma dormência nos pés,e minhas pernas também ficaram dormentes logo em seguida. Eu tinha a impressão de que Deus estava transmitindo uma unção de cura e é por isso que eu orei por suas mãos. Os dois primeiros deram testemunhos de que sentiram a presença de Deus e do que Deus os chamava para fazer. O terceiro indivíduo contou que Deus não disse nada. Ele disse que quando eu orei por ele, sentiu um choque elétrico entrar pelo peito e então sentiu seu estômago e peito pegando fogo. Que maravilhoso!

Após o culto, um dos rapazes se aproximou para falar comigo. Lembro-me dele porque ficou o tempo todo lá atrás, junto da parede, chorando. Ele disse que quando o culto começou, ele viu a parede aberta atrás de nós e um anjo entrando. Ele disse que só costumava ver essas coisas quando ele estava "alto", no crack.

Louvado seja Deus por essa conexão com o Pastor Edimísio e a oportunidade de ministrar para esses homens em sua casa de reabilitação. Estamos vendo como nossos ministérios podem trabalhar juntos para impactar ainda mais a Cracolândia. Nós também estamos discutindo como podemos ajudá-lo a adquirir uma nova propriedade que seria usada para tirar as mulheres grávidas da Cracolândia, e também como um lugar para as meninas que querem deixar a vida de prostituição.

Comments

Post new comment